Insuficiência cardíaca, a doença do século 21

Sedentarismo, má alimentação, hipertensão, diabetes, tabagismo… Eis alguns dos problemas cada vez mais presentes no dia a dia dos brasileiros em razão das condições de vida da nossa sociedade. Todas as pressões do cotidiano e maus hábitos acabam maltratando nosso coração, que aos poucos vai perdendo sua capacidade de funcionar corretamente e acaba aumentando de tamanho para compensar a necessidade de maior esforço. Essa disfunção é o que chamamos de insuficiência cardíaca.
Na história da medicina ela é uma conhecida de longa data, mas digamos que não era muito discutida. Há 30 anos, muito menos pessoas sobreviviam ao infarto, ao derrame ou aos fatores de risco como hipertensão e o colesterol elevado.
Mas, agora, a importância dada a essa condição chega com força. Hoje é comum ver pessoas passarem por um infarto e seguirem com as suas vidas – algo mais raro antigamente. Também deparamos no cotidiano médico com crianças e jovens já reféns do sedentarismo e da pressão alta, por exemplo. E é por isso que aumentam os números de indivíduos com insuficiência cardíaca, assim como a preocupação com o assunto.
A insuficiência não se resume ao crescimento do tamanho do coração ou à falta de fôlego para subir escadas. Está relacionada a um alto volume de mortes e debilitações. Muitos acabam acreditando que a vida após um infarto, ou de uma pressão alta mal controlada, é extremamente restrita ou que ter um “coração inchado” é sinônimo de apresentar dificuldades para realizar as tarefas do dia a dia. Isso só mostra, porém, quanto a insuficiência cardíaca não está sendo tratada corretamente.
Por Dr. Manoel Canesin
 

CATEGORIAS
Compartilhar Esse

COMENTÁRIOS

Wordpress (0)
Disqus ( )